Ocupação de leitos de UTI nas redes privada e pública baixa de 100% e sistema de saúde do RS ganha fôlego

A ocupação geral dos leitos de UTI no sistema de saúde do Rio Grande do Sul completa 17 dias abaixo de 100% da capacidade. Neste sábado (17), porém, também a rede privada diminuiu a lotação para patamares abaixo de 100%, o que não ocorria desde o último fim de semana.

Entre os dias 2 e 31 de março, o sistema registrou taxas iguais ou superiores a 100%. Desde então, a Secretaria Estadual da Saúde (SES) acionou a fase 4 do plano de contingência e as instituições precisaram adaptar leitos em emergências e salas de recuperação para receber pacientes.

No entanto, ao menos desde 1º de abril, já há leitos livres. Na tarde deste sábado, haviam 420 vagas no Sistema Único de Saúde (SUS) e 29 na rede particular.

O desafogo em abril está diretamente relacionado à queda nos casos e internações por Covid-19. Desde o dia 1º deste mês, o total de pacientes com diagnóstico positivo para o coronavírus baixou de 2,5 mil para 2 mil.

Desde 17 de fevereiro o total de pessoas com Covid-19 nos leitos de UTI supera o número de internados por outras doenças.

Das 21 regiões Covid do estado, a maioria está com lotação acima de 80%, o que é considerado crítico, mas em redução. O alerta é para as regiões de Uruguaiana, Cachoeira do Sul e, neste sábado, Cruz Alta.

Até as 17h07, haviam 29 pacientes em 28 leitos disponíveis na região. Mais de 70% deles precisavam de respirador, ou seja, estavam intubados.

Já Porto Alegre refletia o quadro estadual, com a taxa de ocupação de 86% nos leitos SUS e 96% nos leitos privados.

Já pelo monitoramento do Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a lotação geral era de 95%. Pelo menos 78 pacientes com Covid-19 ainda aguardavam leito de UTI em seis hospitais.

Apenas três das 18 instituições operavam abaixo de 80% da capacidade.

FONTE: G1

FOTO: Silvio Ávila

POR: GNI –  Grupo de notícias integradas

Comente com o Facebook
Compartilhe